Conhecendo a confiabilidade Humana – parte 1

>>>Conhecendo a confiabilidade Humana – parte 1

Conhecendo a confiabilidade Humana – parte 1

Confiabilidade humana e seu impacto sobre a produtividade, segurança e qualidade dos processos.

Por: Kaio Majewski Monteiro
Engenheiro de confiabilidade da Qualidados Engenharia

A confiabilidade humana compreende diferentes perspectivas sobre o cérebro e sobre o corpo humano. De forma simplificada, podemos afirmar que o nosso cérebro comanda o sistema nervoso e, por isso, todas as decisões que tomamos passam por todo o nosso corpo até a sua realização esteja completa.

As doenças que atingem o sistema nervoso, no entanto, podem impactar seriamente em algumas decisões, principalmente em momentos de risco em ambientes industriais ou de rotina. Doenças como esquizofrenia, depressão, epilepsia, enxaqueca e acidente vascular cerebral, por exemplo, podem interromper pensamentos lógicos ou decisões a serem tomadas de forma ágil e assertiva.

Por isso, atletas de alta performance devem manter o corpo e a mente sempre em sintonia, pois eles se afetam de forma mútua. O cansaço físico, por exemplo, pode não permitir a correspondência ao que o cérebro impõe. E de forma oposta, o cansaço mental, pode prejudicar um movimento físico que antes foi traçado mentalmente.

Usualmente, alguns pontos são exaltados quando se fala de confiabilidade humana, como a transgressão, reações sensoriais e cognitivas, estresse, aprendizagem humana e outros.

As falhas humanas são classificadas como erros e transgressões e os mesmos em deslizes, enganos, transgressões intencionais e não intencionais:

Figura 1 – Falhas humanas e pontos de observação

O jeitinho brasileiro pode assumir diversas características, uma delas é a de falha humana. Por exemplo, imagine um operário recém-chegado em uma área industrial. Ele decide que o padrão que está descrito não é necessário, pois a experiência anterior já o qualificou para a tomada de decisão e caso ele não leia o padrão ninguém vai falar nada a respeito. Ou seja, está utilizando da esperteza de forma intencional para transgredir em sua ação.

Após a leitura dos escopos de definições das falhas humanas, é importante compreender que as atividades sensoriais cognitivas nos apoiam em tomadas de decisões.

Por exemplo, ao andar de motocicleta, entre carros.  No momento em que o motoqueiro deve ultrapassar um carro ele calcula as distâncias, velocidades, pensa na marcha engatada, tempo disponível para ultrapassagem e o que mais for necessário.

Para compreender melhor, veja o fluxograma abaixo. Nele, pode-se ver uma tomada de decisão baseada em questionamento sensorial, onde se percebe que o estímulo é a idéia de redução de tempo de viagem, a análise sensorial parte para a visão dos veículos a frente e em sentido oposto, assim como a velocidade. O processamento é a marcha que está engatada e o julgamento é saber se a ultrapassagem é possível. A ação fica por conta da decisão de ultrapassagem e a resposta por fim é acelerar e entrar na pista lateral.

Figura 2 – Exemplo de ação cognitiva

Em ambientes industriais constantemente temos que avaliar nossas decisões e fazemos este tipo de avaliação de forma intrínseca ao processo. Por vezes, é necessário a avaliação do desempenho humano por meio de ferramentas como fator de aprendizagem, índice de performance de atividades, índice de vigilância e work-sampling.

Silva (2003) menciona que das 247 causas de acidentes em refinaria de petróleo as falhas humanas são responsáveis por 21,86% delas.

Figura 3- Tabela de acidentes – Silva, 2003, p.81

A falha humana está presente em diversos estudos, como o mostrado na figura abaixo. Por isso, em “tempos de pandemia”, torna-se necessário cuidar da mente, tanto quanto se cuida do corpo. Os problemas e o cansaço mental podem impactar seriamente nossas vidas por meio de decisões mal tomadas.

Figura 4 – Estudos do erro humano na indústria de processos químicos: Magnitude dos problemas dos erros humanos.

E ao se falar de erros cotidianos, temos o exemplo ocorrido na costa da Itália: o naufrágio do Costa Concórdia, onde 32 pessoas morreram. O capitão tomou uma decisão não apoiada de navegar próximo a costa, onde colidiu com rochas. Nessa situação, o capitão também abandonou o barco antes de todos os 4200 passageiros serem resgatados, desobedecendo à ordem do superior e o padrão de segurança. Em resumo, foram perdidos ativos físicos, humanos, de informação, financeiros e intangíveis.

Figura 5–Naufrágio do Costa Concordia.

Portanto, onde a evolução industrial é crescente e essencial o acompanhamento do ser humano deve ser sempre tratado como fator primordial.

 


CENTER FOR CHEMICAL PROCESS SAFETY. Guidelines for preventinghumanerror in processsafety. New York: AICHE, 1994

SILVA, V. A. O planejamento de emergências em refinarias de petróleo brasileiras: um estudo dos planos de refinarias brasileiras e uma análise de acidentes em refinarias no mundo e a apresentação de uma proposta de relação de canários acidentais para planejamento. 2003. 158 f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão)–Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2003.

PALLEROSI, C.A; MANZZOLINI, B. P; MANZZOLINI, L.R. Confiabilidade humana: conceitos, análises, avaliação e desafios.

https://g1.globo.com/mundo/noticia/ex-capitao-do-costa-concordia-e-condenado-a-16-anos-de-prisao-na-italia.ghtml

2021-10-25T15:24:18+00:0025/10/21|

About the Author: