“A Governança precisa sair do papel”

>>>“A Governança precisa sair do papel”

“A Governança precisa sair do papel”

Um bate-papo sobre perspectivas e desafios da implantação de sistemas de Governança Corporativa com a consultora Marta Castro, do Instituto Planos

Nos meios empresarias, a implantação de Sistemas de Governança vem se consolidando como estratégia para garantir uma gestão mais transparente e responsável. Mas, afinal, o que é Governança Corporativa? Que ganhos ela pode trazer para as empresas? E quais os desafios para o seu sucesso? Levamos estas e outras perguntas para um bate-papo com a consultora Marta Castro.

Administradora de empresas com especializações em Marketing, Administração e Recursos – e experiência  como gerente de Marketing e Relações Institucionais de empresas privadas e organizações do terceiro setor –  Marta é sócia-diretora, desde 2009, do Instituto Planos, uma empresa de consultoria em Planejamento e Desenvolvimento, com atuação em vários países. Desde julho de 2019, ela e o sócio-fundador do Instituto, Ângelo Veiga, estão conduzindo a implantação do Sistema de Governança da Qualidados. Confira:

Como surge o conceito de Governança e o que ele representa?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), a Governança é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, o que envolve relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas.

O conceito surge no começo dos anos 1990, com a instalação pela Bolsa de Valores de Londres de um comitê para revisar as práticas de contabilidade e finanças de  companhias britânicas envolvidas em  escândalos. Mas é em 2002 que a ideia ganha força, com a promulgação, pelos Estados Unidos, da lei Sarbanes-Oxley, conhecida como lei SARBOX, decorrente dos escândalos contábeis que o mercado americano enfrentou à época, sendo o mais famoso deles o caso Enron.

O sistema de Governança protege o valor da empresa, independente da presença dos sócios, pois deixa claro a macroestrutura, os âmbitos de responsabilidade e decisão, além de definir os instrumentos de delegação planejada e responsável, com critérios claros para acompanhamento, avaliação e tomada de decisão.

O que as empresas têm a ganhar com a Governança?

O trabalho assegura uma gestão transparente, onde as informações estão disponíveis não só para acionistas, mas para todos os públicos de interesse (stakeholders). Assegura também a accountability, que é comumente traduzida como prestação de contas, mas cujo significado é bem mais profundo. A palavra poderia ser melhor traduzida como responsabilização, ou auto-responsabilização, pois pressupõe que cada ator envolvido no processo, em especial os executivos, assuma e sustente suas ações e decisões perante os acionistas e a sociedade.

Outro ganho é a equidade e a responsabilidade corporativa. A equidade, diferente da igualdade, assegura oportunidades iguais de crescimento e desenvolvimento, mesmo que para isso precise tratar desigualmente os colaboradores, pois considera as necessidades, potenciais e limitações de cada um. E a responsabilidade corporativa, por sua vez, garante boas práticas econômicas, ambientais e sociais, considerando social tudo que tange a pessoas, seja dentro ou fora da empresa.

O mercado e a sociedade, de forma geral, vêem com bom olhos a governança corporativa. Portanto, além de dar segurança aos acionistas, a iniciativa agrega valor ao patrimônio tangível e intangível da empresa.

Qual o tipo de metodologia adotada pelo Instituto  Planos?  Como funciona?

Chama-se THOR – Tecnologia Humanista Orientada para Resultados. Nesta tecnologia, cada líder assume prioridades alinhadas com o Plano Estratégico da empresa, passando a ser dono daquelas prioridades, com seus ônus e bônus. Com isso, papéis e responsabilidades ficam muito claros e permitem que as pessoas possam trabalhar com autonomia. Mas o mais importante não é a ferramenta, e sim a metodologia de acompanhamento, onde cada líder se torna um educador e apoiador da equipe no seu processo de desenvolvimento, e isso inclui a diretoria.

Na Qualidados, todo o processo até o momento teve como metodologia exposições dialogadas, registradas em súmulas ou propostas de deliberação. Ou seja, muito diálogo, negociação e acordo. Também tivemos o cuidado de caminhar alinhados com a implantação do processo de Compliance, realizando reuniões sobre o tema, sempre que necessário.

Quais os maiores desafios deste tipo de trabalho?

O maior desafio são as pessoas e isso inclui os dirigentes. Apesar da iniciativa partir dos sócios-diretores, o processo passa por uma mudança de modelo mental e de gestão, por exemplo, da centralização para a descentralização. Traz também impacto na estrutura, pois ao passo que as pessoas ganham mais autonomia, elas também precisam tomar decisões a bancá-las. Sem falar no ajuste aos novos instrumentos que dão suporte a todo o sistema, como por exemplo os Programas de Ação individuais.

Como você avalia o processo na Qualidados? Que dicas você sugere para o sucesso da implantação?

Na Qualidados, todas as etapas do Sistema estão caminhando muito bem, mas para dar certo, a Governança precisa sair do papel. Por isso, nosso cuidado com o processo. Escrever políticas e montar organogramas é fácil; o papel tudo aceita, mas as pessoas não. A Governança precisa ter “espírito, alma”. Precisa retratar o desejo dos acionistas. Precisa dar suporte às pessoas envolvidas no processo. Precisa consolidar cada decisão antes de partir para uma etapa seguinte. Precisa envolver as pessoas, para que se apropriem do que está sendo construído, afinal, a consultoria é um facilitador e orientador, mas sócios e equipe são os verdadeiros donos do trabalho.

2020-01-14T18:07:39+00:0014/01/20|

About the Author: