De máscara na plataforma

>>>De máscara na plataforma

De máscara na plataforma

As novas rotinas dos colaboradores que atuam em plataformas e outras plantas industriais durante a pandemia       

A pandemia mudou a rotina de todo mundo. Quase de um dia pra o outro, máscaras de proteção e álcool gel viraram nossos companheiros constantes. Passamos a higienizar os produtos do supermercado e a deixar os sapatos do lado de fora na volta para casa. A revolução no cotidiano, porém. é ainda maior para quem atua em plataformas de petróleo e outras plantas industriais, desempenhando atividades que não podem ser interrompidas durante o isolamento. Para estas pessoas, a tarefa de conciliar trabalho com proteção à saúde tornou-se um desafio que vem rendendo novos e inesperados aprendizados.

Dos 474 colaboradores da Qualidados, 335 estão desempenhando suas atividades integralmente em regime de home office, o que representa cerca de 70% do total. O contingente inclui toda a equipe da Sede, em Salvador, e também colaboradores que atuam nas empresas clientes, com as quais foram feitas negociações para viabilizar a atividade remota. “Para nós, este número mostra o esforço da empresa para preservar a saúde dos colaboradores”, comemora o técnico de segurança Kleiton Santana (SMS), que integra o Comitê de Prevenção para o Coronavírus criado pela Qualidados para analisar a evolução da doença e ajudar a diretoria a tomar decisões.

Protocolos de saúde – Para os casos em que as empresas não abriram mão da presença física dos trabalhadores – em razão da importância da atividade e da impossibilidade de viabilizá-la de forma remota – a solução tem sido adotar protocolos rigorosos de saúde. É o que vem acontecendo, principalmente, com profissionais de perfil operacional, que atuam, por exemplo, na fiscalização de atividades de campo e no planejamento e na medição de serviços em paradas de manutenção.

Para os que atuam embarcados em plataformas de petróleo da Petrobras, o impacto das novas rotinas de prevenção tem sido especialmente grande. Para minimizar riscos de contágio, a empresa reduziu o contingente de profissionais nas unidades e alterou a escala de trabalho dos terceirizados, que passaram a permanecer 21 dias embarcados e 21 de folga (antes eram 14 dias de trabalho para 14 de descanso). Além disso, nos 14 dias que antecedem um novo embarque, o grupo precisa cumprir um isolamento social rigoroso em casa, com aferição de temperatura duas vezes ao dia e acompanhamento remoto feito por profissionais de saúde contratados pela Qualidados. Antes do embarque, nos aeroportos, os trabalhadores se submetem a testes para detectar uma possível contaminação pelo Covid-19.

Longe da família – O engenheiro de Programação e Controle Offshore Maximiano Ferraz conta que já se ambientou com o uso das máscaras durante a execução das tarefas e com as reuniões constantes por videoconferência.  O grande desafio, no entanto, tem sido o sacrifício de permanecer longe da família e amigos por mais tempo. Ainda assim, ele acredita que a fase tem lhe rendido aprendizados importantes.         No período de isolamento rígido em casa, ele tem feito cursos de capacitação profissional para os quais nunca encontrava tempo antes. “Acho que o mais importante, no entanto, tem sido o meu maior engajamento em campanhas de doação de cestas básicas para pessoas necessitadas”, revela Maximiano, que atua nas Unidades de Manutenção Maracanã e Tijuca , no Rio de Janeiro.

Adaptação constante – “Este é um momento que exige muito, do ponto de vista psicológico, de nós e dos nossos familiares”, avalia o também engenheiro de Programação e Controle Offshore Roberto Assaife. “A pandemia traz a cada momento um cenário diferente e atípico e a necessidade de adaptação é constante”, acrescenta o profissional, ao relatar as dificuldades de acesso ao aeroporto durante os primeiros dias de isolamento social, quando o transporte intermunicipal foi suspenso no Rio de Janeiro.

No flotel, o hotel flutuante onde fica embarcado, Roberto conta que, além do uso rotineiro do álcool gel e máscaras, há uma série de cuidados, por exemplo, na hora do almoço, como fiscalização da lavagem das mãos e distanciamento físico no refeitório. “Para mim, o grande aprendizado de toda esta experiência tem sido a consciência da importância de desacelerar, de deixar um pouco de lado a corrida desenfreada por ganhos financeiros – que nos deixa  às vezes com noites mal dormidas e sem se alimentar direito – para compreender a importância, por exemplo, de uma refeição em família. Afinal, somos tão frágeis que um ser microscópico pode acabar com a nossa vida e fazer o mundo parar”.

Incidência baixa

A política da Qualidados de privilegiar ao máximo o home office tem gerado bons resultados, com uma incidência baixa de casos da doença entre os colaboradores. Até o momento da elaboração desta matéria, a área de SMS havia contabilizado, entre os  474 colaboradores da empresa, 17 casos suspeitos em todo o Brasil, sendo que 13 deles foram descartados. Das quatro pessoas que receberam confirmação da doença, uma já estava inteiramente curada, enquanto as demais estavam se recuperando.

2020-07-16T15:27:29+00:0016/07/20|

About the Author: