Gestão de ativos e sua capacidade de gerar diferencial competitivo

>>>Gestão de ativos e sua capacidade de gerar diferencial competitivo

Gestão de ativos e sua capacidade de gerar diferencial competitivo

Você já se perguntou o diferencial competitivo que uma Gestão de Ativos estruturada pode entregar à sua empresa ou negócio?

Vivenciamos uma realidade na qual oscilações no mercado são praticamente constantes e os desafios para as empresas se manterem competitivas são diversos. É imprescindível desenvolver processos Lean que sejam integrados e inteligentes, nos quais consigam eliminar desperdícios, bem como aumentar a produtividade. Do ponto de vista do Lean, define-se desperdício como:

Toda atividade que consome recursos, mas não entrega valor ao cliente

Mas afinal qual a definição de “ativo”?

Um ativo é algo que tem valor potencial ou real para uma organização. Podemos definir ativos como objetos tangíveis ou intangíveis, que estão sob controle de uma empresa. É tudo aquilo que pode ser transformado e/ou gerar dinheiro para as empresas. Por exemplo, maquinários, equipamentos, estoques de produto acabado ou de matéria prima, sedes, automóveis, mobílias etc. Também existem os ativos financeiros, como investimentos ou duplicatas a receber, mas este não será o foco.

Uma vez entendido o que são ativos, vamos aprofundar nos conceitos de Gestão de Ativos e seus benefícios.

A Gestão de Ativos permite que as organizações consigam reconhecer o valor real dos seus ativos através de um conjunto coordenado de ações e atividades, possuindo processos robustos e integrados que atuem desde a fase de Pesquisa e Desenvolvimento, passando por compras, instalação, operação, manutenção e por fim até o descarte do patrimônio.

Existem os ativos físicos e os ativos humanos, a gestão dos ativos físicos pode ser compreendida como o gerenciamento de todo o ciclo de vida dos ativos tangíveis (equipamentos, máquinas, entre outros), identificando seus riscos e vantagens. A partir do momento em que estejam em conformidade com as políticas e planos organizacionais, o objetivo será garantir que estes ativos cumpram com o que se espera deles, entregando qualidade e confiabilidade que resulte na redução de custos e/ou aumento da produtividade durante seu ciclo de vida.

Por outro lado, entende-se como ativos humanos tudo aquilo que é inerente ao indivíduo, capaz de trazer um diferencial competitivo para a organização, ou seja, os benefícios que os colaboradores podem proporcionar por meio do seu conhecimento, criatividade, motivação profissional e habilidade para resolver problemas e para gerar valor. Em resumo, uma gestão dos ativos humanos eficiente irá permitir que a empresa obtenha resultados favoráveis e alinhados com sua cultura e demandas estratégicas.

Na Gestão de Ativos, é comum a utilização do indicador TCO (Total Cost f Ownership), que possibilita as empresas detectarem os mais variados custos referentes à manutenção de um serviço ou ativo. Deste modo, antes mesmo de realizar o investimento, as empresas já conseguem estimar os impactos no orçamento em curto, médio e longo prazo, bem como a depreciação do bem. Resumindo, uma boa Gestão de Ativos dará condições confiáveis para buscar o equilíbrio entre custos, oportunidades e riscos visando sempre extrair o melhor desempenho dos ativos.

Por regra, as empresas que buscam implantar ou já possuem uma gestão estruturada de ativos têm como aliado comum a ISO 55.000. Estar atento e na busca frequente para se adaptar às diretrizes desta norma é um requisito básico para consolidar os diversos processos de gestão em um padrão organizado e sequenciado.

As Normas ISO e a Gestão de Ativos

Norma ISO 55000 – Gestão de Ativos – Visão geral, princípios e terminologia

Norma ISO 55001 – Sistema de Gestão – Requisitos

Norma ISO 55002 – Gestão de Ativos – Sistema de Gestão – diretrizes para aplicação da ABNT NBR ISO 55001

Uma vez tendo os processos enquadrados nas diretrizes das Normas ISSO 55.000 e estabelecendo assim a Gestão de Ativos, certamente os benefícios citados abaixo serão observados pelas organizações:

  • Aumento da confiabilidade e segurança das pessoas, processos e ativos
  • Redução de custos e desperdícios;
  • Maior qualidade e padronização dos processos;
  • Aumento da capacidade competitiva;
  • Aumento da produtividade da equipe de manutenção;
  • Redução do indicador MTTR (tempo entre reparos) e aumento do MTBF (tempo entre falhas)
  • Aumento da vida útil dos equipamentos e melhor rendimento;
  • Tomadas de decisão mais assertivas;

Diante de alguns dos benefícios citados, percebe-se que a Gestão de Ativos pode ser um pilar relevante na busca por diferencial competitivo. Como mencionado anteriormente, é essencial desenvolver processos cada vez mais Lean, e a inovação tecnológica vem como um fator indispensável para obtenção de um processo de excelência. Estar aberto à inovação e atento ao que o mercado oferece de tecnologia é um dos segredos de empresas benchmark em Gestão de Ativos. Ter soluções tecnológicas suportando o processo e disponibilizando dados mais confiáveis, proporciona tomadas de decisões gerenciais mais assertivas, bem como melhores resultados.

Uma vez entendido o que é ativo, Gestão de Ativos, bem como as principais normas regentes, em um próximo artigo será apresentado alguns exemplos de tecnologia e como a inovação tecnológica está proporcionando uma revolução nos processos de Manutenção e Gestão de Ativos, entregando maior confiabilidade e possibilitando esse pilar se tornar ainda mais essencial dentro das corporações.

2022-02-25T15:25:33+00:0025/02/22|

About the Author: